quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

EVOLUÇÃO COLETIVA DA HUMANIDADE

por Rodrigo Barros
Caríssimos leitores do meu blog,
Para inaugurar as postagens desse blog, estava eu a pensar num tema que viesse verdadeiramente demonstrar a essência do objetivo que temos com nossas publicações.
Ocupado eu que estava com os afazeres dos primeiros dias de vida do meu filho (incluindo trocar o dia pela noite), não enxergava nada que pudesse ser tão impactante.
Todavia, na manhã de hoje, estava nas últimas páginas de leitura de um livro que resolvi, ainda que de maneira pretenciosa, ler nas minhas férias do trabalho.
Qual não foi minha surpresa, o tema caiu nos meus braços.
Embora seja eu protestante no campo da fé, sou um pesquisador nato e não me conformo com conceitos pré-estabelecidos. Detesto raciocínios que você compra como se fosse um sonho velho de padaria, onde já pousaram diversas moscas por sobre ele.
Já fiz parte de uma grande igreja neopentecostal brasileira, inclusive trabalhando ativamente como "obreiro". Aliás o meu batismo se deu lá. O tempo em que fiquei nessa igreja foi muito importante para o meu crescimento espiritual.
Agora você me pergunta: foi importante pra você por causa das mensagens edificantes que lá se ouviam? Em parte sim, mas na sua maioria não. As grandes bobagens que lá eu escutava me fizeram pesquisar, desmentindo dentro de mim certas "verdades" ali lançadas.
Cansado de pesquisar sem uma linha fixa, resolvi ingressar num seminário teológico aqui em São Paulo.
Só um parêntese: não vou mencionar o nome de qualquer instituição aqui no meu blog. Quem me conhece sabe; quem não me conhece certamente desconfiará quais são as instituições as quais menciono.
Muito bem! Cursei teologia durante um ano e meio e quando minha mulher soube que estava grávida tive que trancar o curso, afinal já sou formado em Direito e não tenho pressa na conclusão desse segundo curso.
No entanto, o tempo em que cursei teologia foi suficiente para que eu chegasse a uma simples conclusão: as igrejas cristãs, na sua maioria, não estão preocupadas com a evolução coletiva da humanidade, mas tão somente em impregnar os seus súditos com doutrinas fajutas e contrárias ao operar do Espírito Santo.
O que pude perceber nesses quatro anos de caminhada com Jesus, é que as igrejas cristãs, repita-se, na sua maioria e não na totalidade, estão preocupadas na prestação de serviços religiosos com o fim único de resolver os problemas individuais dos seus seguidores, e por que não contratantes de seus serviços.
Essa conduta além de banalizar totalmente os dons do Espírito Santo, o que já seria suficiente para o cidadão jamais voltar a por os pés lá, ainda aflora mais o individualismo das pessoas que já vivem numa sociedade onde os valores coletivos estão em baixa. Em outras palavras, passam a procurar a Deus pelo que ele pode oferecer e não pelo que ele é.
Lembro-me das passagens dos evangelhos quando Jesus instituiu o novo mandamento: amar ao próximo como a nós mesmos e a Deus sobre todas as coisas.
Tais condutas desses verdadeiros roubadores do sentido da fé ferem esses dois princípios constitucionais do Reino de Deus.
Primeiro porque o próximo fica relegado ao segundo plano. Vamos às nossas igrejas para comprar o antídoto de nossos problemas, transformando aquilo que deveria ser uma congregação, que dá o sentido de integração, num verdadeiro "cada um por si". É sempre bom ressaltar, outrossim, que os problemas que temos nas nossas vidas são, na sua maioria, falta de habilidade de lidar com as coisas, falta de maturidade, etc., ocasionados pela nossa própria conduta, de modo que nem Deus nem o Diabo têm culpa da nossa falta de maturidade.
Em segundo, porque Deus fica sem o sentido da criação. Fomos criados para um relacionamento de amor, um caminhar com o Altíssimo. Ora, se temos uma relação de interesse com Deus, porque nos aliamos a Ele por causa de nossas necessidades, então não temos um caso de amor com Ele, mas sim, uma relação de barganha. Isso é se relacionar com amor? Amor não seria a firme presença de Deus em nossas batalhas diárias, ao invés de simplesmente nos livrar dos percalços do dia-a-dia, transformando-nos em "mimadinhos"?
E a batalha espiritual, a luta do bem contra o mal que eles querem colocar guela abaixo dos crentes? Tudo é culpa do Diabo e seus asseclas! Todo mundo é santo, mas o Diabo retira a nossa santidade! Ora bolas, quanta besteira! Isso pode ser encarado como uma meia verdade. Nem sempre o Diabo tem culpa.
Se Jesus instituiu esse mandamento é porque queria integração entre os irmãos. Fazer com que aquele que tem mais condições físicas e espirituais ajude os caídos e restaure as feridas, independentemente de raça, credo, etnia, origem social e demais fatores. Ele deixou conosco a capacidade de fazer as mesmas coisas que ele, ou até maiores.
Mas quais as mensagens que saem do púlpito? Espíritas, hinduístas, budistas, católicos, gnósticos, etc. são do Diabo e devemos lutar contra estas forças, amando as pessoas, mas destruindo a sua cultura. Jesus faria assim? Jesus destruiria o livre arbítrio das pessoas? Não! Foi por isso que se tornou um divisor de águas na humanidade e hoje responde por nada menos que um terço da população mundial o seguindo.
Tal estatística só não é maior porque nas outras religiões e governos existem também pessoas ignorantes e proselitistas que impedem que todas as informações cheguem ao conhecimento de seus concidadãos, dando-lhes liberdade de escolha. Jesus é a escolha da liberdade e não da imposição. Tanto assim que Ele mesmo disse que o conhecimento da verdade é libertador.
E o que os cristãos têm feito? Salvo raríssimos abnegados, temos assinado um atestado de narcolepsia, de letargia, de insignificância, de inação. Não temos feito a diferença! Não temos dado o bom testemunho.
Os representantes dos cristãos, embora sejam esmagadora minoria, mas que soa como maioria em decorrência da ampla divulgação que é dada pelos meios de comunicação, estão envolvidos em escândalos financeiros, sexuais, políticos etc., fazendo com quem ninguém mais se interesse "sponte sua" pelos valores cristãos, de modo que a humanidade cresce pautada pelo valores do Big Brother Brasil, da novela das oito, do Faustão, do Superpop, do TV Fama, dos canais privados da televisão a cabo, etc., que tanto imbecilizam e retiram das pessoas o senso crítico.
Temos que parar de lutar contra as trevas. Eles estão fazendo esse serviço bem feitinho há milênios. Não somos mais experientes que eles nesse ofício. Então o que fazer? Quando eu passo a viver os valores do Reino e ser bom testemunho de Deus na terra, eu alcanço a minha luz interior que é projetada sobre aqueles que convivem comigo. Milhões de pessoas entendendo isso formam ilhas de luz que são a pura manifestação do Espírito Santo. O alcance da luz interior é a verdadeira porta aberta para a saída das trevas. Utópico? Nem tanto!
Sendo assim, devemos crescer enquanto sociedade, enquanto civilização, criando nossos filhos com os valores do Reino, de fazer a diferença para si e para o próximo, desde não jogar um papel na rua até decisões importantes que afetam os direitos das pessoas.
Para concluir, transcrevo abaixo o texto que li na manhã de hoje e que me inspirou a escrever esta mensagem que já se alongou muito além daquilo que eu desejava.
"Não há outro caminho: uma verdadeira evolução coletiva da humanidade não pode ser feita por meio do hipnotismo em massa nem da súbita elevação espiritual das massas através de revelações coletivas. Não; antes é preciso que haja libertação individual... Liberdade, força independente e fantasia são as três qualidades ou aspectos que se fortalecem mutuamente; que formam o cerne indissolúvel da existência humana. Temos a escolha: podemos renunciar e enterrar essas três marcas do ser e continuarmos vivendo como modelo mecânicos do homem, o que levará à destruição de nosso mundo e à escravização do planeta; ou podemos ter coragem e nos dedicar com todo o coração a construir uma sociedade a partir do que verdadeiramente somos" (Rappoport, p. 283, 291).
A cada postagem desenvolveremos as temáticas aqui colocadas e outras sugeridas por eventuais colaboradores.
Grande abraço e tenham um bom dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário